3 de jun de 2018

Happy Sunday

Manhã, junho de 2018. Cabelo assanhado, café, um brioche que não é croissant e o inexorável litígio interno entre o meu gosto agudo herdado pela poesia tétrica e o sol em escorpião que me faz ser mística, acreditar no eu superior e nas afirmações positivas. Oh, Deusa, luz infinita que há em mim como nos outros, me faz largar esse apego pela poesia que dói, já que eu não sei transcender o ego quando recordo trechos de amor dolorido! Eu queria um dia cantar poesia, mas a meditação matinal não me deixa. Calo-me. Obedeço a outra que fala alto. Sou eu, duas em uma. E entre tantos meus diálogos internos, esqueço o fora de mim.

Ana Clara Campelo
Blouse: Novashe / Watch Rosefield


Ana Clara CampeloAna Clara Campelo

Nenhum comentário:

Postar um comentário