26 de abr de 2018

Instagram

“Só se está só ou acompanhado dentro de si mesmo”. Esta frase do Antonio Maria pra mim soluciona a problemática da maioria dos relacionamentos: a presença. Só podemos oferecer boa companhia se primeiramente nos fazemos bem. Só conseguimos confiar no outro se confiamos em nós mesmos... e até Jesus falou para amarmos o outro como a NÓS mesmos! Ou seja, o “eu” vem sempre primeiro, como referencia para o bem externo. Como referência para uma atração de um mesmo nível de afeto. Eu estou muito bem acompanhada hoje, mesmo na solidão da minha casinha, no interior da Itália... minha saudade deste dia compartilhado (na foto) é a sensação viva e feliz do momento que passou melhorado pela sensação do agora. E eu refuto: Só se está mal ou bem amado a partir do amor para consigo mesmo. Vamos praticar a lei do auto amor para atrair melhores relações?! 🙏🏻 ótimo dia!
Uma publicação compartilhada por Clara Campelo (@clarazebra) em

Look: Vestido de Bolinhas com bolero

Parece que o verão chegou no lugar da primavera, antecipando um calor que provavelmente viria em agosto. A Itália, para quem não sabe, é uma bela opção de destino para quem quer curtir o "estate" (verão) europeu. As praias do sul são as mais procuradas, mas até agora eu só fiquei na região da Toscana durante esse período, geralmente entre Pisa e Florença, no piemonte, em Stresa e em Vêneto - Veneza *clique nas palavras para abrir os posts que fiz nestas cidades.

O look de hoje é um clássico da loja inglesa Vivien of Holloway. A loja é retrô, costura peças sob medidas especiais e tem os tecidos e modelos mais fofos do mundo -vale a pena passar por lá se você for em Londres! Eu já usei muitos looks de verão desta marca (confira clicando aqui), que é minha favorita no quesito "cintura marcada", pois tem shorts, calças e vestidos que acentuam muito esta parte do corpo feminino.

O vestido vem com um bolero no mesmo tecido e eu adoraria que vocês vissem a estrutura do busto, que vem com um suporte melhor do que um soutien. O cumprimento midi dá o ar vintage que completa a estampa de bolinhas. Eu adorooooo, mas confesso que meu namorado não curte tanto! haha E vocês, gostam de usar looks mais curtos ou se aventuram nos cumprimentos midi também? Espero que gostem e tenham um ótimo dia.

Ana Clara Campelo


25 de abr de 2018

Reflexão do dia - Sobre as nossas contradições



Houve um tempo, eu me lembro, em que alguns amigos começaram a se incomodar com o meu “blog”. Parece estranho, ao contar para alguém que só me conhece pelas redes, que as pessoas próximas não concordavam com aquilo que eu fazia, mesmo não havendo uma repercussão negativa.

Eu também não gostava de ser contradita por aqueles que me cercavam. Mas eles me conheciam muito bem à ponto de ver que aquilo tudo era o extremo oposto de mim.
Os meus amigos, eu acredito, não eram contra a expressão, mas provavelmente contra a virtualização dela.

Eu sempre tive problemas de socialização e limitações inacreditáveis para me relacionar e expressar verbalmente. Sempre busquei exprimir meus pensamentos através da escrita e os poucos que chegavam até mim eram os únicos contáveis dentro da minha convivência.

Então de repente eu criei um blog, tinha 5 mil amigos no Facebook, fanpage, fui elencada entre as 99 blogueiras do mundo em um livro publicado na Inglaterra e era convidada pela TV local para falar de moda. Como isso poderia condizer com uma pessoa que nem tinha coragem de olhar nos olhos do outro dentro de um diálogo, caminhava olhando para o chão e falava para dentro?

Eu sei muito bem a resposta... hoje mais do que antes! Mesmo que atualmente aqueles amigos tenham se afastado, eu sei que também aprendi com eles. Porque eles queriam que a mudança acontecesse dentro de mim e na vida real antes de alcançar esse mundo de redes, tão cheio de “falsas verdades”, tão cheio de photoshops, tão cheio de filtros.

O que as pessoas não aceitam é a contradição!

Mas todos nós somos um pouco de tudo lá no fundo! Porém cada um expressa mais aquilo que escolhe - muitas vezes inconscientemente.
Alguns, como eu, não são só um pouco tímidos: aplicam a energia do corpo inteiro nessa pesada luta contra si mesmos. Outros, ao contrário, sentem a necessidade de expressar-se e interagir constantemente com o outro... mas se você perguntar para essas pessoas, individualmente, ambas as personalidades vão dizer que se sentem espontâneas e tímidas, respectivamente, em algum momento, em alguma situação.

Então, na verdade, nós não somos contraditórios. Nós só não somos equilibrados o suficiente entre todas as coisas que podemos ser -e somos. Nós só não somos estáticos, exatos, extremos.

Expressamos uma coisa aqui, outra ali... a medida que aprendemos e experimentamos, de forma única! Tanto que cada um terá uma percepção diferente ao nos ler/ observar/ ao conviver/ ao julgar - e vice versa.
Eu mesma, sou tão boba e doce com minhas paixões e tão cheia de barreiras com as relações rasas. Alguém também deve se sentir assim!

Houve um tempo, naquele tempo em que meus amigos não concordavam que eu poderia ser espontânea de algum modo... “que eu não era fútil o suficiente para falar sobre moda”, que eu queria gritar diante da repressão! {e o que afinal eles queriam dizer com a palavra fútil? Sobre que ponto de vista eu o era ou deixava de ser?}

Eles diziam: “esta não é você!”
Mas era eu. Uma eu Forte, decidida, colorida! Mas também indecisa, passiva, monocromática. Na vida real ou na vista de quem quisesse ler assim. Era apenas uma expressão diferente de mim mesma. Como um espelho que mostra sempre a imagem invertida para quem se vê.

E a minha vontade de gritar foi concedida: O meu grito foi continuar.
E prossigo: porque ser só tímida não me basta. E se foi explorando um outro lado o meu modo de chegar aqui e dizer: “já fui mais introvertida. Já fui mais ridícula. Já fui mais seria!” Eu admito. E aceito até ser considerada "contraditória".

Quem conseguir ser apenas uma coisa está apenas iludido. Quem for exato e perfeito, já pode se considerar morto, porque a palavra perfeição quer dizer feito até o fim. E o finito, eu garanto, não se aplica a mim!!

Que vocês também não aceitem enquadramentos e limitações. Amigo é aquele que alcança a essência sem julgamentos. E nós mesmos podemos ser este tipo de amigo - para nós e para os outros!


Bom dia!

22 de abr de 2018

Look: Casaco estilo Vintage | Londres

Mesmo com a primavera, a temperatura em Londres ainda estava variando bastante, impossibilitando de sair sem um casaco para prevenir um frio no fim do dia. Para este look, optei por um casaco da marca londrina Alices Pig, botas prateadas da também inglesa Public Desire e um total preto por dentro, para neutralizar tanta informação do casaco, que tem estilo vintage e da bota, super futurista.

O relógio é também de uma marca local, a Elie Beaumont. E para este tipo de acessório eu costumo escolher cores bem neutras, como o cinza, preto e prata, para nao concorrer muita atenção dentro da composição visual.
Ainda fiz fotos do look sem o casaco, aproveitando pra mostrar o top super cool que usei por dentro, mas vou deixar pra mostrar em um próximo post, porque essa peça merece!! Eu espero que gostem e tenham um domingo muito iluminado! Beijos.

Ana Clara Campelo

21 de abr de 2018

Reflexão do dia - sobre o avião

Lá de cima eu pensei: que os ventos são sempre certos, mesmo quando bagunçam tudo. No avião, eu lembrei que sempre fico tonta quando ele decola - e ironicamente escolhi um piloto pra namorar. No avião, tantas milhas acima do chão, meus pés flutuavam e minha cabeça levitava em outro plano: meditei!

Tem gente ali que só quer voar pra fugir, há quem esteja ali a trabalho, outros em busca de diversão, pra mim é sinônimo de casa: porque ele me leva pra alguém em algum lugar.

Pra alguns dá medo, pra outros adrenalina, pra mim tontura, pra outros é aventura. Tem gente que viaja sorrindo, tem gente que viaja chorando. E há quem faça os dois, porque viajar é deixar um lugar e ir de encontro a outro, muitas vezes pela primeira vez! Lá as ideias se misturam entre ontem e amanhã. Avião é uma máquina de agora com muita pressa.

Avião é transição, Avião é passarão... que como toda ave, estreita espaços e tempo de um jeito sublimin-AR.
Avião é experiência pura! É a nossa chance de ser ágil e grande. Porque estamos todos na mesma velocidade que ele, mesmo sentados {se é que me lembro bem das ininteligíveis aulas de física na escola}.

Viajar... é mergulhar na gente de um jeito novo a cada vez que os pés pousam no chão. E dessa vez, por milagre, eu não senti náuseas. Será que finalmente fiz as pazes com o avião?!  ✈️ #verborragias