31 de ago de 2012

8 ou 80: Medos, bobagens e explicações...


7572049562_a11edca522_b


Tenho medo de gente, tenho medo de altura, tenho medo de morrer tragicamente, tenho medo de banheiro público, tenho medo de ser uma artista frustrada e também tenho medo de falar as vezes...  Eu tenho medo de várias coisas, mas a que está me deixando mais angustiada ultimamente, é o medo de que as pessoas tenham percebido (ou não) a ausência das minhas verborragias aqui pelo ZebraTrash. Na verdade é meio que uma mistura de medo com vergonha, por não ter vergonha na cara mesmo. Eu sei que fica cada vez mais claro que eu estou virando uma chata -sem galocha e- sem criatividade. Mas depois de um tempão sem escrever, eu andava definhando pelos cantos, sabendo que a minha decepção era comigo mesma.

Acho que a gente escreve quando as coisas transbordam. E as coisas não tem transbordado muito pela minha vida, por conseqüência de uma bola de neve que se formou com o atribulado ano de 2011. Tá! Eu sei que já passamos da metade de 2012, mas o ano passado me deixou tão cheia de dúvidas e medos, que quase me transformou em outra pessoa. Mudanças na vida familiar e acadêmica, trabalho incerto, tapas na cara, depressão 'pós-motivoalgum' e um monte de outras bobagens que me influenciaram a ficar ainda mais calada e passiva -ai, como eu odeio essas características.

Pois é que na verdade, para mim, quando as coisas não estão ligadas no 80 não valem muito a pena. Essa fase de fim de curso (e são 2 ao mesmo tempo) me deixa em estado de alerta vermelho e eu acabo criando uma capa de tranquilidade tão mentirosa quanto meus dedos estáticos. Fico ligada no 8. Acabo não valendo a pena, não rendendo. Estou quase entediada em ter que me podar, e confesso que estou muito preguiçosa também. Eu até tive tempo de escrever -e olha que eu sou paga pra isso-, mas parece que a minhas idéias se enrolavam formando um nó como trezentos e setenta e cinco 'oitos', assim, infinitos...

Alguma coisa não me deixou nem pensar no que escrever. E a culpa desse vazio é minha mesmo! Antes eu conseguia escrever porque não ficava horas de cara pro computador, antes eu saia pelo menos uma vez na vida pra visitar meus amigos e sabia dizer as coisas com maior linearidade e coesão, eu sabia ficar arrepiada lendo um livro do inicio ao fim, eu sabia fazer leituras de paisagens, eu sabia sair correndo para o nada no meio da noite sem nem cogitar o arrependimento...

Ontem eu li um post no blog da  Ojana Coutinho (obrigada Ojana! ;) falando sobre o Zebra Trash, meu estilo e meus textos. Fiquei super emocionada em saber que alguém ainda se dá ao trabalho de buscar algum texto meu pra ler. Além disso, adorei a montagem que ela fez usando a frase da moda "Keep Calm and". Tomei até a liberdade -ou melhor, atitude- de me dar um tapa na cara depois de ler a mensagem. O termo trashion era pra expressar a minha inconstância, o meu lado brega, o meu lado podre, o púdico e o vazio também: o meu silêncio. Eu não posso mesmo me estabilizar no 8 se o que me mantém na linha da (in?) sanidade é o 80. 

Acho que esqueci que existe vida e que ela é cheia de declives. Por me cobrar demais, eu acabei me esvaziando. Sem paciência pra ouvir críticas, sem paciência pra me olhar no espelho e admitir que estou dez quilos mais gorda depois da minha primeira depressão de 2011; sem paciência pra deixar de me odiar por não estar sendo a Clara que eu queria ser. Deixei meus medos pequenos me tomarem o corpo todo. E foi uma loucura... Mas eu vou sair dessa ressaca. Afinal, sexta feira que é dia de encher a cara e curtir a vida. Talvez eu comece hoje a minha antiga-nova fase Trashion 80's (Because I don't want to keep calm!).  Agora, depois dessas oitocentas toneladas de letras saindo de mim, eu sei que já posso voltar ao modo trash-on.


Grata pela leitura!
Tenham um ótimo fim de semana! ;*

Ilustração: Renáh Azevedo





8 comentários:

  1. Texto lindo, como sempre. Incrível como eu me identifico com cada palavra que você escreve. Adoro isso aqui, e fico feliz por ter gostado do meu post, por tê-lo citado aqui e mais ainda, por ter surtido algum efeito bom (eu acho) pra sua vida. rs
    ADOREI o que fez com a montagem, ficou bem a cara do Zebra Trash. :D Beijos e obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto. O que vemos é que ser/estar ligada no 80 é o ideal, ser feliz sempre, acima de tudo, mas o que seria da felicidade sem seu oposto? Às vezes devemos nos permitir sentir medo, tristeza, raiva... Afinal somos humanos e, pra ser sincera, pessoas sempre felizes e sorridentes me dão calafrios.

    ResponderExcluir
  3. Com essa angustia nos só ganhamos, esse blog nunca este tão bom. Voce se ente assim, porque voce é uma artista. Só acho que nessa fase final do seu curso voce deveria incluir mais posts voltados para a área da arquitetura que voce vai esconher!!! Aqui e o seu cartao de visita e a sua profissao e que deve ser mostrada no meio do que voce mais gosta: moda!

    ResponderExcluir
  4. Esta é a minha filhota. Plena, linda e poética! Há muito vinha te cobrando isso, o porquê da ausência da tua verborrogia. Os medos são nossos, todos temos, porém temos também que ter a vontade de mudar, de nos expor, de sermos Felizes. Sei do quanto és capaz e da admiração que tenho por você.
    Filha, te amo! Eliana Campêlo

    ResponderExcluir
  5. Hola Clara, no he podido dejar de escribirte porque tu blog siempre me ha causado gran interés, tan auténtico, tanto.
    Tengo que animarte! no dejes de sacar de dentro, a veces hay una revolución interior porque crecemos, evolucionamos y nos agarramos al pasado con miedo. Hay que mirar al futuro con esperanza. Y tu belleza y poesía no se puede retardar más!. Un besazo desde españaxxxx

    ResponderExcluir
  6. Ai que bom, como fiquei feliz ao ler este post, sabe não posso dizer que a conheço mas andava sentido falta da Clara Campêlo que comecei a seguir o blog. Uma louca inspiradora, que tudo ela transformava em poesia, e que conseguia refletir a vida nas coisas mais simples, e tudo isso transbordava em sua indumentária, e sempre muito gentil com seus leito só por compartilhar um pouquinho de você com seus textos, sempre muito ricos.
    Sim, Clara estava com saudades de tua verborragias!!!

    ResponderExcluir
  7. Sou leitora do teu blog há pouco tempo, mas já li vários e vários textos, voltando nas postagens mais antigas e lendo MUITOS deles. Só quero te dizer o que tu já tem certeza : Tu faz isso não apenas pq gosta, mas pq SABE muito de tudo isso. Lendo o que tu escreve aqui, sem dúvidas podemos sentir o quão querida é, mesmo sem nunca ter trocado uma palavra contigo. Eu já te falei no face mas repito aqui: Tu é a cara da Norah Jones, e lendo tudo isso aqui vejo que és tão genial quanto ela. :)

    ResponderExcluir