30 de nov de 2010

Moda Para Homens

Estive distraída nos últimos dias, até que sem dar-me por conta, encontrei a coleção Primavera/Verão (S/S) de uma das marcas que mais gosto em relação ao guarda-roupas masculino. A KOLOR é uma marca japonesa que consegue seguir o padrão masculino estiloso sem intervenção de peças muito extravagantes.
Para os garotos do Acre, eu indico que busquem o equilíbrio dessas cores sujinhas abaixo selecionadas. A cartela de tonalidades boho caem super bem em qualquer look. Seja casual ou formal. E a propósito, essas combinações foram muito felizes quando fizeram o uso do terninho + calça de moletom ou gravata com bermuda.

KOLOR-3

KOLOR-2

É lógico que vocês não vão usar as jaquetas porque pensar nessa peça por aqui beira o surreal, mas ainda sem elas, os looks são dignos. Basta sacar que para estar em harmonia com a moda, não é preciso cometer nenhum tipo de extravagância, não importa qual seja o seu estilo.

loku

loko

Então, agora vocês não podem dizer que moda não é coisa para homens, ok?!
A alfaiataria é masculina, tênis e coturnos... A desculpa agora limitar-se-á a sua escolha. Usem o bom senso. Estilo não se adquire. Expira-se o se é por dentro. É só permitir usar o que gostam de fato, rapazes! :)


Fotos: We Are Selecters

29 de nov de 2010

Há sempre algo Ausente para além do Sol...



Empire



"Que é a natureza? Não é a matéria Universal. Ela está na matéria, na energia, porque nada existe fora desta, e realiza-se perpetuamente na profunda inoscência, independente do espírito humano. No sentido artístico a Natureza é tudo o que se apresenta aos nossos sentidos como exterior a nós.

Texto de Graça Aranha;
Fotos: Renah Azevedo;





Dica da Semana - Bazar: Varal da Moda

Sábado, 27/11 aconteceu na Loja Dona Flor, o primeiro dia do Varal da Moda | Dona Flor. Um Bazar super legal onde a querida Fer, dona da loja, propõe até 50% de desconto nas peças. Com direito a biscoitinhos e cappuccino, a tarde do meu sábado valeu também pela boa companhia. O bazar vai se estender por toda a semana e a Fernanda espera por vocês com aquela simpatia! :)

191755658
Varal da Moda | Dona Flor


A Loja Dona Flor fica na Rua Santa Ines, numero 74, Bosque.

Cobertura Prato-a-Porter

Então, como prometido estas foram as imagens que eu consegui captar quando convidada para o apoio da cobertura do evento Prato-à-Porter, no dia 25/11 no Maison Borges. Vocês podem conferir como desfilaram peças bem coloridas, muito amarelo e linhas de vestuário que ofereciam a dualidade entre cores e estampas as vezes até psicodélicas. Os chapéus foram bem presentes nas composições e as flores nos guarda-chuvas no desfile da Iris Tavares foram uma ótima referência primaveril. Os looks abaixo pertencem as lojas Iris Tavares, Casa Shopping (com edredons de estampas animais, que a propósito, eu adorei) e Lilu.

Iris Tavares PassarelaGeovana Para Iris TavaresIris TavaresIris Tavares Passarela
(Casa Shopping)
Casa Shopping
(LILU)
Prato-a-Porter : LiluPrato-a-PorterPrato-a-PorterPrato-a-PorterPrato-a-Porter : LiluPrato-a-Porter

Veja Mais fotos no Flickr
extra- Backstage

28 de nov de 2010

Van Gogh's Flowers in the Sun...



Moda Bridal

Uma pergunta super frequente de vocês é "onde comprar vestidos de festa online". Festas em geral envolvem glamour e muitas vezes sofisticação, principalmente as de casamento. A começar pelo vestido de noiva, tudo precisa ser perfeito, mas geralmente tudo tem um valor exorbitante, concordam? Por isso, cada vez mais tem crescido o número de lojas online especializadas em vestidos de noivas e damas de honra. Não exatamente com preços diminutos, mas com grande variedade de modelos e a vantagem de uma compra segura e prática. Desta vez eu conheci a Modabridal, que é uma loja online especializada e repleta de opções de vestidos de festa. Abaixo selecionei algumas das peças promocionais mais bonitas que encontrei por la. 


1 / 2 / 3

27 de nov de 2010

Blue is in |Tr| ashion Tonigth!

Rasquei um tecido e enrolei no pescoço. As meias já estavam rasgadas, mas os buracos romperam um pouco mais na hora de vestir. Blusa verão, shorts de quando eu era criança. O batom foi só mais um dos itens pretensiosos dessa composição. Que os parece? hahaha
PS: morram de amores [vocês também] pelo Romeu pagando de Prince Pelayo na night! hahaha :P

Trashion Lips
Trashion Blue

Bem como veem, tantas flores!

"Procure compreender o que dizem os artistas nas suas obras-primas, os mestres sérios. Aí está Deus." -Foi lembrando desta frase de Van Gogh que decidi fazer o post desta hora.

Eu sou adoradora das artes plásticas, e sempre gosto de buscar o porquê das obras. A essência, a intenção as vezes vale mais do que a própria peça. A expressão vale, destarte, porque é expressão; mas nunca se valerá unicamente, senão com reflexão. Seja pela beleza ou pelo incômodo que nos causa.


A cor amarela era a preferida do pintor holandês Van Gogh. Não como Picasso que teve "períodos" para cada cor, particularmente em seus últimos anos de vida, Van Gogh tomou o amarelo quase como uma obsessão… Essa cor predominava em todas as suas pinturas e inclusive em sua casa, que era toda amarela! Mundialmente conhecida como a “Casa Amarela”, situava-se na Praça Lamartine.


Sem querer falar muito mais sobre o fim de sua história, digo apenas que não me interessavam os quadros desse artista, que apesar de pós-impressionista, não conseguia me tocar como muitos autores do próprio impressionismo fizeram. Mas alguns fatos de sua vida são muito interessantes, e talvez por me encontrar na mesma angustia em algum momento, compreendendo o seu apelo tétrico para as telas, eu reavaliei minha posição, e me pus a repensar sobre a beleza das manchas que costumo dizer que beiram mais expressionismo, pois para mim, transpassam um sentimento de lassidão...




Como efeito de fundo, apliquei nessa foto uma colagem padronizada do quadro Girassóis de Van Gogh (1889).

DSC_1983

Na minha blusa -acho que não dá para ver muito bem- há flores. Algumas parecem girassóis ou não -mas eu prefiro pensar que sim e manter a intertextualidade. uHSUHs



O Sol também foi uma inspiração. Visto que é luz e sempre lídimo da representação na cor amarela, não podia deixar de ter sentido o que a própria fonte natural de luz trouxe também aos artistas impressionistas: uma fonte de pesquisa.
Quase um século passado sobre o impressionismo, o pintor surrealista Salvador Dali,
também trabalhou em algumas de suas obras as cores quentes que embasam esse post.
Estas obras alaranjadas são, inclusive, as minhas prediletas. Tirei as fotos de um livro. Estão abaixo:

Metamorfose de Narciso - 1937

Metamorfose de Narciso - 1937



Eu olho para o céu e vejo os elementos que o formam. O infinito é sempre o que procuro. Busco nos elementos essa força sobre-humana de recomeçar sempre brilhante, sorrindo, cheio da música uníssona. Para mim, é harmonia o que transmite a imensidão do cosmo!

Dali3

Para entender sobre o movimento = O
Surrealismo foi um movimento artístico que alcançou as artes plásticas e a literatura, a partir dos anos 20 em Paris. Veio suceder o movimento Dadaísta, e ainda buscando um não sentido em sua expressão, conseguia expandir os sentidos através de coisas inimagináveis. Salvador Dali foi mestre na concepção de pinturas assim, com imagens bizarras, oníricas e com excelente qualidade de plástica.

DALI - A Persistência da Memória - 1931
A Persistência da Memória - 1931

DSC_1999

(ok; tentei ser Dadaísta na composição com as luminárias uhuahsuh)
Salvador Dali, "Rosto da Guerra", óleo sobre tela, 1940-41

Renah

Quis fotografar a luz natural que se apresenta ao meu quarto durante as tardes.
Amarelo e bonito... Onde estará o rapaz por entre meus chapeus e livros? =)



Surda, porém, eu não falava. Olhava o Sol sem dizer do amor.
Não dizia das músicas que agora me chegavam provindas dos céus,
através do espírito, pelo vento...

DSC_1993

(a minha arte consiste em falar daquilo que me faz viver, do que leio, do que registro,
sempre com a intenção de misturar tudo numa coisa só, para ver se cabe em mim quando eu engolir...)

DALI

DSC_1866 copy

Ahh! Quase esqueci de dizer:
Porque aquilo que escrevo, só faz sentido a quem sente...
Ache belo tudo o que puder, a maioria das pessoas não acha belo o suficiente.





26 de nov de 2010

              AGUARDEM!

Gente, o evento de moda e gastronomia que aconteceu ontem na Maison Borges foi um sucesso!
Ainda nao descarreguei todas as fotos do Prato-a-Porter, entao peço-lhes paciencia.
Ainda neste fim de semana pretendo posta-las, ok?


DSC_243s cop

Para qualquer informação, entrar em contato por e-mail - anaaclara@hotmail.com

25 de nov de 2010

 Seremos todos Marcianos?!

   É a vez dos sapatos com conceitos futuristas. Bem como na década de 60, Yves Saint Laurent revolucionou a moda em contraponto ao movimento Hippie, com materiais metalizados, translúcidos e formas lunáticas, como se todos pudessem vestir o traje a rigor quando chegassem a Lua. Os autores desses designs maravilhosos que selecionei abaixo foram felizes na composição de formas e cores expirando futurismo.
   Os gráficos de volume e linhas arquitetônicas caem bem com qualquer coisa como um pequeno vestido preto. Assegurando uma heroína minimalista da ficção científica, você vai alem da ‘marcianidade’, e chega ao ápice da ousadia na moda, arrasando! Gostam?

Texto adicional - somos-todos-marcianos

Hey, Nicholas Kirkwood, Raphael Young e Proenza Schouler!!
Mandem-me para um par de cada uma obra de arte dessas, ok?! huhuhuhu

     HOJE - Prato-à-Porter

publ_gironatribo_nov10
O grande evento intitulado Prato-à-Porter, que acontecerá hoje, às 20 horas, na Maison Borges trara ao Acre o modelo Paulo Zulu. A idéia e fazer uma mix de moda, gastronomia e solidariedade. O jantar degustação será assinado por 17 restaurantes e na passarela 12 das melhores lojas de Rio Branco.

Ainda se fala em Pós-Modernismo

Até o século XIX, e lógico, como os fatos se repetem, até o século XX, discutiu-se sobre a Arquitetura, de forma que ela era pensada como sempre Clássica.
Compreendam: "Não for clássica, não é arquitetura, e sim, mera construção."
O fato é que o Brasil cresceu no momento em que nascia o movimento Moderno. Portanto, já se apropriou daquilo que a moda do tempo oferecera. Para nós, não há o historicismo clássico se não remontarmos um passado que não nos pertence. No Brasil, o máximo que se carrega de renascimento provém do Barroco, que foi como uma continuação natural do momento saudosista das artes clássicas, retomando os "frufrus", os muitos adereços das antigas construções.
Bem, então no Brasil, pensemos: "Arquitetura é Arquitetura Moderna. Se não é Arquitetura Moderna, não é Arquitetura. Não é entendida pelos arquitetos como Arquitetura: é construção, é sei-lá-o-quê."
Acho que é quase isso. O Brasil possui um passado curto e que reflete influencias nunca vernaculares, nunca influenciadas pela própria criação, mas baseada sempre nas descobertas e aspirações exteriores.
Não posso ignorar o tamanho do nosso recinto. Tampouco devia remeter ao estado financeiro/social deste país. Mas quando os grandes gênios são os que controem cidades como prisões a céu aberto, é tenso pensar que uma influencia maior da Terra pode provir de quem tem raiz brasileira um dia.
O academismo já nasce requerindo o Moderno. A rigor, temos referências estrangeiras. Não podemos usar o historicismo clássico também, porque assim já voltaríamos à Europa novamente: no Brasil, Clássico e Histórico é já ser Moderno. Nascemos com ele, e apenas a tradição de vermos a profissão como o desafio de criar "novos" modos de inclinar nossos caixotes, as vezes remontando as curvas do Niemeyer, as quais não aspiro, assumidamente -mas respeito quem gosta, fique claro.
Destarte, como não notar as caixinhas de habitar? São já amadurecidas dentro do nosso pensamento, sejamos acadêmicos de arquitetura ou leigos na área, todos juntos, sentimentos que nos induzem a achá-los mais interessantes que um Barroco, por exemplo, pois a moda é artifício muito convincente e o Pós-Modernismo traz aquele dinamismo que reflete essa sociedade e como em todo o resto de suas expressões, convence mais do que com teorias.
154284_465133093653_94300828653_5407608_4736659_n149691_457824198653_94300828653_5327115_92088_n154705_466345948653_94300828653_5424566_1427312_n155051_466341273653_94300828653_5424500_2660949_n75639_462145243653_94300828653_5373823_6224246_n150362_463234663653_94300828653_5387026_571298_n76043_460142373653_94300828653_5348895_5708024_n75677_465615448653_94300828653_5415075_4667550_n76309_463781718653_94300828653_5392321_7534129_n75178_463781683653_94300828653_5392319_2733000_n154728_465615373653_94300828653_5415071_6843089_n74284_457915838653_94300828653_5328290_7527342_n
Aos caixotes, o post de hoje. Refletindo uma leitura sobre as reflexões do Pós-Modernismo, entrevista a propósito do Artigo "Anotações sobre o pós modernismo" de Sylvia Ficher, concedida da Danilo Matoso- Brasília, 2007.

Imagens: Reprodução
(ps: nenhuma das obras acima foi concebida no Brasil.
-Mas a influência é essa. Aproprie-se! huhuh Parece que ouço, sem que nunca me tenham dito...)