18 de nov de 2010

música X silêncio


Rosas Rubras numa rede de sono adentrem a madrugada!

vermelho

vermelho

A um cravo Vermelho devo o post dessa hora. Eu já havia me esquecido que adorava vermelho e sobretudo levava a cor em qualquer um objeto, sem nunca faltar. Mas fiquei um tempo sem usar do artifício das cores para disfarçar o que eu sentia. Talvez nos ultimos tempos eu tenha de fato estado esquálida, e portanto tenha vestido tantos tons sujos e escuros. Branco tem todas as cores, o vermelho, cor primária, é irrevogavelmente a cor da paixão. Sinto que baixinho cresce em mim algo que jamais se poderá caracterizar como mais doce. Mas rubra é a pele da rosa que vesti esta noite... E ah! Faça sentido só a mim o que escrevo agora; Pois ocorreu-me um sonho no momento: de repente não é preciso ter sentido para se viver!