11 de nov de 2010

Da Arte Contemporânea...

Image and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPicImage and video hosting by TinyPic

As especializações nas matérias diversas que aspiram as artes são os destinos aos quais me disseram os Deuses a seguir desde a infância.
Histórias, fatos sociais, reflexões vertiginosas, concepções pietistas, cepticismo religioso e curiosidade ao paganismo aliados a inquietação do intelecto pela multiplicação de informações que comprovassem ou formassem em mim uma maneira de inteligir as atitudes humanas e suas funções no mundo (funçoes estas almaticamente inatas porém nunca -ou quase nunca- incorporadas), foram e parecem-me que serão sempre as minhas acepções de identidade própria -a mais aproximada.
Admito, destarte, estar em fase de renascimento para com os cânones vistos até poucos anos. Como no humanismo renascentista de quase cinco séculos atrás, renovo valores e abdico das abstrações humanas mais tolas; das que traumatizam as criaturas menos corrompidas. Tento levar -mesmo este ato não sendo de todo válido e sistêmico- em mim o racionalismo que encontra-se figurado na Utopia de Thomas Morus.
Não como os mais estudiosos e longe de ser a mais letrada, completa e variante em leituras, sou lá a merencória de uma língua em mutação que vê a cada dia a necessidade de parodiar mundos antigos e criticar a sociedade coetânea, descendente. Como Walter Benjamim fez em seu tempo, e tantos artistas buscaram no berço Greco-romano as raízes fraternas de uma cultura artística que deu certo, faço gratuíta e seriamente apologia ao caos que mostre ao tolo ser que se auto degrada, tudo quanto lhe desfavorece o poder material tolamente obtido.
No íntimo, ainda indiferente a opniões acerca das variáveis posições que se tomem a respeito do mundo vão de valores carnais, peço-lhes desculpas, fantasmas leitores; Por não ser das mais romanticas infantes criaturas que se lhes ousam escrever secretamente.
Peço-lhes, pois, desculpas por humana, ser condicionada à dominação do ser mais dotado de adereços minerais extraídos não da alma, mas da raiz natural mais inválida e inanimada.
Enfim, como se pouco valesse o fim, como sempre pouco apreciam-se as obras alheias, digo em nome da arte perdida que pretendo um dia conhecer a fundo, que protesto por um riso seguido de arrepio de pêlos e olhos vidrados, pela arte mais pura que o ser humano pouco conhece mesmo morando e apropriando-se de partidos geniais da natureza: a arte sensorial, essencial e inominável.

ps: estou ausente nos ultimos dias e o texto pode parecer confuso.
Perdoem-me a confusao os que nao apreenderem nada do que escrevi. Para quem quiser mais, auto indico-me: Pequena Máquina Espiral de Clara é meu blog pessoal. Mas vocês podem me conhecer um pouco mais, de perto, bem mais louca...
Um beijo e energias positivas mil!

12 comentários:

  1. ARTE... é sempre tudo tão maravilhoso, e por vezes dificil de compreender!

    lindo seu brinco!


    xoxo,
    Ivânia Diamond*

    ResponderExcluir
  2. Wowww I love the first picture, that arte!

    ResponderExcluir
  3. É querida, vou ficar junto da massa que não entendeu patavinas... mas confusa eu tb sou e quando escrevo sai umas coisas assim tb... com certeza pra ti faz todo o sentido do mundo. Também escrevo pra me libertar. E pra me conhecer melhor.
    Vou tomar uma e ler denovo, pode ser que eu entenda... :)

    Bjos.

    Vou ao shopping agora me encontrar com a kirafashion.com e ela me disse que o seu blog é um dos preferidos dela.

    Good vibrations for you too!

    ResponderExcluir
  4. great post darling. but i dont understand what you're saying. however i LOVE that image of you. you're so cute!
    x

    ResponderExcluir
  5. the decor on photo number 1 is awesome!
    xoxo

    ResponderExcluir
  6. omg I've been searching for your blog FOREVZ, how I missed you bebey. I'm gonna follow you now so I never loose you again. You look great

    LuvLux
    xxx

    ResponderExcluir
  7. Ooh, those earrings are amazing! :)

    XXo,
    Neekoh

    ResponderExcluir